“BRASIL SÓ CRESCERÁ MAIS QUANDO MELHORAR A EDUCAÇÃO, DIZ ESTUDO”

Estudo realizado pelo Banco Mundial, divulgado no ano passado, aponta algumas necessidades fundamentais para que o Brasil possa se desenvolver de modo significativo. A principal delas são investimentos na área da Educação.

A conclusão do estudo apontou alguns fatores da deficiência brasileira nessa área: ensino básico precário, que resulta em profissionais pouco qualificados, universidades distantes do setor produtivo e voltadas mais para conhecimento teórico do que prático e tradição em importar e adaptar tecnologias, em vez de criá-las.

Para um dos principais autores do estudo, Alberto Rodriguez, em entrevista ao Estadão (10/09/2008), o Brasil não cresceu economicamente nos últimos anos por ser uma sociedade inovadora, cresceu porque a base de capital de trabalho aumentou. “Se você compara essa base de crescimento do Brasil com a da Coreia do Sul, o comportamento é muito parecido, mas a Coreia cresceu cinco vezes mais nesse período.” Isso porque, o crescimento da Coreia do Sul não foi apenas quantitativo, mas principalmente, qualitativo, pautado por inovações científicas e tecnológicas, a partir de grandes investimentos na área da educação.

Desenvolvimento: Brasil e Coreia do Sul

Veja matéria completa no Estadão.

ALÉM DO PRÉ-SAL

A importância de se estender os domínios marítimos vão além das recentes descobertas de hidrocarbonetos do Pré-Sal. É incalculável o valor de uma área marítima, de domínio exclusivo, equivalente à metade do tamanho terrestre do nosso país. É como se tivéssemos uma Amazônia a mais!

É nessa área que se localizam mais de 90% das nossas reservas de petróleo e gás, inclusive a do Pré-Sal; é por onde passa mais de 90% do comércio exterior (importação e exportação), sem contar o comércio de cabotagem, que é a navegação realizada entre portos do mesmo país; tem uma biodiversidade incalculável e que pode ser explorada de maneira sustentável, através da pesca, do extrativismo, do turismo e de várias outras atividades econômicas que geram milhares de empregos; tem grande significado histórico e cultural; enfim, tem um papel estratégico, econômico, histórico, cultural e ambiental da maior relevância para o nosso país. Trata-se de uma questão além da soberania nacional.

Veja Infográfico Especial do Estadão sobre segurança marítima brasileira

ONU AUTORIZA BRASIL A AMPLIAR FRONTEIRA MARÍTIMA

AE – 06/05/2007

Brasília – Desde o mês passado, os livros didáticos estão autorizados a ensinar que o Brasil tem exatos 12,712 milhões de quilômetros quadrados, e não apenas os 8,5 milhões de quilômetros quadrados terrestres informados a gerações de estudantes. A Organização das Nações Unidas (ONU) deu sinal verde para o País incorporar, para além das 200 milhas náuticas, mais 712 mil quilômetros quadrados de extensão da chamada plataforma continental.

Nessa área, correspondente ao tamanho dos Estados de São Paulo, Rio Grande do Sul e Paraná, o País também já tem assegurada a soberania de exploração e aproveitamento de todos os recursos naturais do solo e do subsolo marinhos.

Os 12,7 milhões de quilômetros quadrados são a soma dos 3,5 milhões da chamada Zona Econômica Exclusiva (ZEE) com os 712 mil quilômetros reconhecidos em abril pela ONU. Mas o Brasil quer mais e pode, ao fim do processo de legalização da plataforma continental, que vai até maio de 2009, transformar-se em uma nação com 12,95 milhões de quilômetros quadrados, o equivalente a quatro Índias.

Fonte: http://noticias.uol.com.br/ultnot/agencia/2007/05/06/ult4469u3145.jhtm

Domínio Marítimo Brasileiro
Domínio Marítimo Brasileiro

Leia mais:  A “Amazônia Azul” ROBERTO DE GUIMARÃES CARVALHO